Se você é um empreendedor do ramo alimentício sabe que, diante da concorrência, é preciso pensar em maneiras de colocar o seu negócio em posição de destaque. Um buffet para restaurante bem organizado e de qualidade, por exemplo, torna a experiência do cliente mais agradável, fazendo com que ele retorne sempre ao estabelecimento.

Não importa se você está apenas começando ou se já tem anos de experiência e deseja inovar. O buffet para restaurante requer cuidados e bastante planejamento, afinal, não estamos falando apenas em servir a comida nos equipamentos. Aqui, entram em jogo detalhes que fazem toda a diferença, como a ordem dos alimentos, categorias etc.

Por isso, a seguir, falaremos sobre as melhores práticas para ajudá-lo a montar o seu buffet para restaurante. Ficou interessado? Continue conosco e boa leitura!

Organização e cuidados em primeiro lugar

Nunca se falou tanto em experiência do cliente como nos dias de hoje. Quando o assunto é alimentação — algo que não só sacia a fome, como também traz felicidade, proporciona bons momentos e qualidade de vida —, um dos principais focos de um restaurante é pensar em maneiras de satisfazer o consumidor e garantir que ele continue voltando ao estabelecimento.

Organização e cuidado são palavras-chave aqui. Um buffet para restaurante deve ser impecável não no sentido de contar com os mais modernos aparelhos, decorações e ingredientes finos, mas, sim, ao contemplar esses dois aspectos primordiais que citamos.

Sempre com base nas melhores práticas de higiene. Tudo deve ser pensado com atenção: quais aparelhos estão de acordo com a ambientação? Como manter a temperatura dos alimentos quentes e frios? Quais são as práticas indispensáveis para montar o buffet? Falaremos mais sobre isso a seguir!

Escolha dos aparelhos certos

Os aparelhos de buffet para restaurante merecem uma atenção especial. Isso, pois, devem não só ser adequados à infraestrutura do estabelecimento, como também práticos e funcionais. Para começar, é interessante entender melhor os tipos de equipamentos e, assim, escolher aquele que for mais alinhado às suas necessidades.

Tipos de buffet para restaurante

Existem dois tipos básicos de buffet para restaurante, o quente e o refrigerado. O primeiro, na maioria das vezes, funciona com aquecimento em banho-maria por meio de cubas de aço inox anexadas ao aparelho.

Já os segundos, para pratos frios como saladas, são compostos em grande parte por uma superfície fria, com vasilhames de vidro ou plástico. Isso porque o aço inox, utilizado no buffet quente, podem acabar congelando os alimentos caso fiquem lá por muito tempo. Você não quer que isso aconteça, não é mesmo? Como falamos: todos os detalhes fazem a diferença.

Há também aqueles restaurantes que, para pratos quentes, utilizam rechauds em vez do buffet tradicional. Esses aparelhos — em formato de cubas e compostos por chamas individuais, com tampas — certamente garantem uma apresentação mais elegante, mas não são os mais funcionais para estabelecimentos self-service do “dia a dia”, já que normalmente requerem um espaço maior e mais atenção quanto à manutenção.

Como escolher o ideal

Existem vários aparelhos de buffets prontos para comprar e de boa qualidade, mas há também a opção de fazer um sob medida, de acordo com a proposta e orçamento do seu restaurante. No caso dos equipamentos prontos, o investimento costuma ser menor, mas é preciso redobrar a atenção quanto ao espaço que ele ocupará no ambiente, entre outros fatores cruciais.

Já o buffet feito sob medida é, como o nome já diz, adaptado para o seu restaurante. Escolhendo essa opção, você terá mais garantia de que o equipamento se adapta ao espaço disponível e ainda pode fazer modificações que facilitarão o uso do aparelho.

Sendo assim, analise o orçamento disponível caso esteja começando o seu estabelecimento ou já tem um e quer modificar a infraestrutura para melhor atender os clientes. Coloque todos esses aspectos na balança e veja a opção mais acertada: muitas vezes, o aparelho pronto já apresenta todos os aspectos que você deseja, assim como o sob medida, o que pode acabar não pesando tanto no bolso e compensando mais.

Melhores práticas ao montar o buffet para restaurante

A principal característica dos restaurantes com buffet é o autosserviço (ou self-service). O cliente é quem escolhe os alimentos que colocará no prato e paga pelo peso consumido. Nesse sistema, além de uma comida saborosa, é crucial que o dono do estabelecimento se preocupe com a organização, apresentação e disposição dos itens.

Quer algumas dicas práticas? Então, continue acompanhando!

Saladas em primeiro lugar

A primeira parte do buffet é a fria, ou seja, composta por saladas e grãos. Uma sugestão interessante de ordem é:

  1. saladas de verduras e cruas;
  2. saladas de raízes;
  3. tomates, pepinos, vinagretes etc;
  4. grãos;
  5. frios.

Nessa sessão também devem estar dispostos separadamente ou em cima do buffet os molhos, azeites, temperos e condimentos.

Guarnições

Após a salada, o percurso tradicional é que o cliente vá para a parte das guarnições. Seguindo essa lógica, o buffet quente começa com o arroz, o feijão, as massas e as frituras. Aqui, uma dica extra é prezar pela variedade no cardápio semanal, o que pode ser feito por meio de diferentes modos de preparo, por exemplo.

Isso evita que o restaurante caia na mesmice e acabe enjoando o consumidor, que se cansará de ver sempre os mesmos alimentos preparados da mesma forma.

Carnes

As carnes são a última parte do buffet quente. É ideal que elas sejam servidas no final do balcão e, de preferência, acompanhadas por condimentos e farofas. A mesma dica que demos para as guarnições pode — e deve! — ser aplicada aqui. Aposte na variação de preparos e surpreenda o paladar do cliente. Acredite: a depender da preparação, é possível transformar o bife de cada dia em uma receita digna do Masterchef!

Sobremesas e frutas

Caso essas opções façam parte do buffet para restaurante, é indicado que estejam dispostas em uma parte separada da estrutura principal.

Atenção à temperatura dos alimentos!

Como já dissemos logo no início do post, o cuidado e a organização são palavras de ordem em um buffet para restaurante. Para eliminar qualquer risco de contaminação, é de extrema importância que as temperaturas dos equipamentos estejam sempre bem controladas.

  • Alimentos quentes: podem ficar expostos a 60 °C por até seis horas.
  • Alimentos frios: não podem exceder os 5 °C e devem ser repostos a cada quatro horas.

Como foi possível perceber, por trás do buffet para restaurante sempre há uma lógica. Os detalhes da organização podem até parecer imperceptíveis, contudo, fazem toda a diferença na experiência do consumidor, facilitando-a e até mesmo deixando os alimentos servidos mais atrativos. Interessante, não é mesmo? Sendo assim, coloque em prática essas dicas, obtenha sucesso e potencialize seus lucros!

Por falar em resultados, sabia que aceitar vale-refeição como pagamento é uma forma eficaz de vender mais? Confira nosso post “O que meu estabelecimento deve ter para aceitar VR?”.