Saber como contratar pessoas nem sempre é uma arte devidamente valorizada nas empresas. Mas as consequências de uma contratação malfeita podem ser graves.

Afinal, a empresa vai perder tempo com um colaborador que não tem o perfil ideal para a vaga preenchida e o profissional vai perder a chance de trabalhar em um lugar mais adequado as suas qualificações. É prejuízo, na certa, para ambas as partes.

Um bom processo seletivo deve ser bem elaborado, com o cuidado de definir exatamente quais características técnicas e comportamentais o profissional deve apresentar para se candidatar à vaga em aberto. Para isso, não pode ser apressado nem deve ter como base apenas a simpatia do recrutador pela pessoa que concorre ao posto.

Vamos descobrir quais são os 4 principais erros cometidos pelos departamentos de Recursos Humanos na hora de fazer o processo de seleção? Dessa forma, fica mais fácil sugerir dicas para que você consiga contratar pessoas que sejam capazes de se adequarem às funções e à cultura da organização. Confira a lista a seguir e aperfeiçoe o processo seletivo da sua empresa!

1. Não se preparar para o processo de seleção

Se você não souber exatamente quais conhecimentos e habilidades o funcionário precisa ter, não pensar em que tipo de pessoa você não quer no seu negócio e, pior, não definir quanto pode investir na contratação de um novo profissional, certamente você vai errar no processo de seleção. Antes de abrir a vaga ao mercado é preciso fazer a própria lição de casa!

Nosso conselho é que você aproveite o momento da necessidade de contratação para fazer uma análise profunda sobre o cargo em aberto. Descubra qual o perfil, as competências e as necessidades da empresa para aquele setor antes mesmo de anunciar que precisará de alguém para aquela vaga — em especial, se for para uma posição de liderança.

Dessa forma, durante o processo seletivo você terá condições de atrair e avaliar as pessoas que têm as competências e habilidades necessárias, analisando os perfis dos candidatos e checando quais têm condições de se adaptarem aos métodos de trabalho da sua empresa. Para isso, o entrevistador deve elaborar, previamente, uma pauta com as perguntas a serem feitas ao profissional.

Vale lembrar que, após ter escolhido o candidato ideal, antes de fechar contrato é preciso checar as referências apresentadas por ele, além de avaliar seu comportamento e reações emocionais. Esses procedimentos diminuem as chances de errar na contratação e deixam você mais próximo de alcançar o seu objetivo.

2. Fazer a seleção com muita pressa

Como contratar pessoas adequadas ao perfil esperado se você não tiver tempo suficiente para analisar comportamentos, competências, reações emocionais, entre outras características? Os prejuízos no futuro podem ser inúmeros e graves se você decidir pular etapas no seu processo seletivo.

Não queremos dizer, com isso, que ele deve ser demorado, mas sim que ele precisa ser completo! Você deve ter mais de uma conversa com os profissionais para conhecê-los melhor.

Você pode envolver pessoas de outros setores, além dos colaboradores de Recursos Humanos, nesse processo — como gestores e futuros colegas de trabalho. Isso vai ampliar a sua percepção sobre os candidatos.

Portanto, a regra é clara: demita rapidamente se o funcionário não estiver atendendo as suas expectativas; mas contrate lentamente para que as chances de demissão sejam menores no futuro, evitando desgastes de imagem e prejuízos à companhia.

3. Não explicar o que você espera do funcionário

Da mesma forma que você espera que o candidato à vaga apresente amplamente suas habilidades, competências e perfil, ele também precisa saber o que a empresa espera de seu trabalho e oferece em termos de benefícios ao futuro ocupante do posto. É um erro não dizer aos profissionais do que se trata exatamente o cargo que será preenchido e quais serão suas atribuições.

Em resumo, é necessário investigar se as atividades que serão exercidas estão alinhadas aos interesses do candidato em praticá-las. Também é preciso verificar se ele se conecta às oportunidades que a empresa oferece para a sua carreira.

Por isso, logo no começo do processo de seleção já deve ficar claro para os profissionais como será a rotina de trabalho, os desafios e as atividades que serão exercidas.

A descrição da vaga deve ser completa, incluindo qualificação técnica exigida, perfil comportamental desejado, entre outras informações.

É possível fazer isso tanto de forma direta, expondo as informações aos candidatos, como no decorrer das entrevistas pessoais. Nessas conversas, quando questionados sobre suas expectativas em relação à carreira, aprendizados e experiências, os profissionais começam a perceber melhor o perfil esperado pela organização.

Se o entrevistador perceber que o profissional tem um perfil mais adequado para exercer outro tipo de função, vale a pena expor isso ao candidato. É preciso, portanto, saber dizer “não”, mesmo nos casos em que houver simpatia pela pessoa que está sendo entrevistada.

4. Não envolver seus colaboradores na seleção

Muitas empresas delegam ao departamento de Recursos Humanos a função de contratar novos profissionais sem permitir que os colaboradores dos demais departamentos participem do processo de seleção. Isso é um erro!

Seus melhores funcionários conhecem a cultura de empresa, sabem quais são as atribuições e exigências do cargo em aberto e podem ter uma ótima percepção de qual perfil profissional vai combinar mais com aquele posto de trabalho. Ou seja: você só tem a ganhar quando envolve outros colaboradores na busca.

Há muitas maneiras de saber como contratar pessoas com a ajuda dos seus funcionários. Muitas organizações já oferecem, inclusive, benefícios àqueles que fizerem boas indicações, já que os processos, dessa forma, acabam ficando mais rápidos, mais eficazes e menos custosos.

Tanto é assim que empresas grandes e famosas já usam essa estratégia e têm 40% das suas contratações feitas por meio de recomendações do seu próprio pessoal, segundo pesquisa da Jobvite.

A recompensa oferecida àqueles que indicarem novos profissionais para atuar na organização não precisa ser feita apenas em dinheiro. Muitas vezes, isso pode ser feito por meio de um reconhecimento público. Caso a situação financeira da sua empresa permita, podem ser oferecidos brindes, benefícios ou viagens, por exemplo.

Agora você já conhece as dicas mais valiosas sobre como contratar pessoas sem cometer erros. Para ter êxito, é preciso que a empresa seja capaz de praticar autoanálise e paciência para não pular as etapas importantes do processo seletivo.

Quer mais dicas relevantes como esta, principalmente as que envolvem o setor de Recursos Humanos? Siga-nos no Facebook e no LinkedIn!