A pandemia do novo coronavírus está deixando muitas pessoas preocupadas, principalmente, aquelas que estão em condições de saúde mais vulneráveis a ter complicações com a Covid-19. Esse é o seu caso ou de alguém próximo a você? Então, é preciso estar por dentro dos cuidados essenciais com a saúde para os grupos mais suscetíveis à doença.

Por ser um vírus recente, muitos aspectos ainda são um desafio para a medicina. É por esse motivo que a prevenção se torna o melhor remédio, ainda mais para quem está incluso no grupo com maior vulnerabilidade. Quer entender mais sobre o assunto?

Continue a leitura, pois, neste post, contamos quem são e por que essas pessoas devem redobrar os cuidados, além de dar 7 dicas de como fazer isso. Vamos lá?

Quem está no grupo que exige mais cuidados contra o coronavírus?

A partir da observação da evolução do quadro dos pacientes diagnosticados com Covid-19 é que os especialistas podem determinar quais são os grupos de risco. Essas pessoas são aquelas que apresentam mais problemas com a enfermidade. A seguir, confira quem deve redobrar os cuidados.

Idosos

É comum que os idosos sejam mencionados em diversas doenças. Isso acontece porque, com a idade, o sistema imunológico tende a ficar enfraquecido. Dessa maneira, a defesa do corpo não consegue combater efetivamente o vírus, que pode se tornar mais agressivo.

Um estudo feito pela revista médica The Lancet, e publicado no dia 31 de março deste ano, demonstrou que a gravidade da Covid-19 aumenta conforme a idade. A doença é mais perigosa para pessoas acima de 60 anos e, quanto maior a faixa etária, maior a mortalidade.

Gestantes e puérperas

Em um primeiro momento, as gestantes e as puérperas (mulheres que deram à luz há pouco tempo) não constavam foram mencionadas. Mas o Ministério da Saúde decidiu inclui-las porque elas são mais suscetíveis às infecções, como na gripe causada pelo H1N1.

Apesar de não ter nenhum estudo que comprove a ameaça, por prevenção, o órgão preferiu que essas mulheres redobrassem os cuidados com a saúde na pandemia.

Hipertensos

A pressão alta também é fator de risco para formas graves de Covid-19 e uma das comorbidades (associação de duas ou mais doenças) mais encontradas nas complicações fatais relacionadas ao novo coronavírus.

Nesse caso, o que aumenta a letalidade é que o vírus usa o mesmo receptor que os alguns medicamentos para hipertensão para entrar nas células. Isso facilita a invasão do coronavírus no organismo do hipertenso.

Diabéticos

O diabetes é uma comorbidade que leva os portadores a ser grupo de risco de diversas doenças, inclusive da Covid-19. Isso porque a glicose alta faz com que o organismo produza substâncias que baixam a imunidade, fazendo com que o diabético resista menos às infecções.

Asmáticos e pessoas com outras doenças respiratórias crônicas

Quem tem asma também deve ficar atento, pois essa doença provoca deficiência respiratória e deixa os pulmões mais sensíveis. Sendo assim, ela agrava a situação da Covid-19, já que há o aumento da secreção nos pulmões e, consequentemente, dá mais falta de ar.

Como o vírus ataca, principalmente, o sistema respiratório, o paciente asmático que é infectado com novo coronavírus fica muito debilitado e com sintomas de ordem respiratória intensos e sérios. O mesmo ocorre com outras enfermidades relacionadas aos pulmões, como a doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC).

Fumantes

Não é novidade que o tabagismo prejudica a saúde, ainda mais a dos pulmões. As substâncias nocivas contidas no cigarro favorecem o surgimento de doenças pulmonares, como enfisema e bronquite.

Como os pulmões dos fumantes já estão afetados, a probabilidade de um quadro grave por Covid-19 é bem maior do que de uma pessoa que não fuma.

Obesos

Alguns novos estudos descobriram que o sobrepeso e a obesidade também pode causar complicações. Uma das razões para isso é a inflamação crônica causada pelo excesso de peso e que atua como comorbidade para a doença.

As lesões ocasionadas por essa inflamação podem levar à formação de coágulos que, por sua vez, são causadores de trombose e embolia pulmonar.

Os pesquisadores puderam concluir que a infecção se agrava de acordo com o IMC (índice de massa corporal). Quanto maior o o peso corporal do paciente, maiores as chances de precisar de hospitalização e ventilação mecânica.

Quem tem insuficiência renal crônica

Na lista de grupos de ameaçados por complicações da Covid-19 da OMS (Organização Mundial da Saúde) também estão os portadores de doença renal crônica. A explicação é simples: os rins são responsáveis por filtrar o sangue e também fazem parte da resposta do sistema imunológico a ataques por vírus.

Se o órgão está lesionado, logo o paciente não conseguirá ter a defesa do organismo tão eficiente. Há outro detalhe importante: grande parte dos pacientes apresentam doença renal crônica por consequência de outras enfermidades, como hipertensão e diabetes, que também são fatores de risco para Covid-19.

Quem tem doença cardiovascular

As doenças do coração, em geral, são fatores de risco para várias enfermidades e infecções. No caso de Covid-19, o órgão do paciente infectado produz algumas substâncias para combater o vírus que o deixam ainda mais fraco.

Além do mais, o novo coronavírus pode prejudicar diretamente o músculo cardíaco, causando inflamação no miocárdio, principalmente se o coração já estiver sobre carregado. O resultado é o aumento no chance de ter arritmias e paradas cardíacas.

Imunodeprimidos

Os imunodeprimidos são pacientes que têm a imunidade baixa por conta de alguma outra doença, que pode ser autoimune, câncer, HIV etc. Essas pessoas também estão incluídas por razões óbvias: sistema imunológico debilitado favorece o agravamento das infecções.

Por que essas pessoas precisam redobrar os cuidados com a saúde?

A Covid-19 é a doença causada pelo novo coronavírus. Além de sintomas comuns em gripes, como febre, tosse seca e mal-estar, ela pode causar problemas respiratórios que evoluem para quadros sérios e que podem levar à morte.

Em algumas pessoas, a enfermidade pode até mesmo passar despercebida. Tanto que o doente nem se dá conta que se trata dela. Já em outros indivíduos, o vírus pode se manifestar de maneira mais agressiva, atacando principalmente os pulmões, desenvolvendo uma pneumonia viral.

Sendo assim, podemos dizer que os grupos de risco são aqueles que estão mais suscetíveis a essa complicação. Isso não quer dizer que eles têm facilidade para contrair a infecção, já que a transmissão é igual para todo mundo, mas sim, que estão mais propensos a sofrer com as formas mais graves da doença.

Por ser uma forma de vírus muito recente, ainda não há medicamentos específicos e nem vacina para o combate da enfermidade. Vários estudos sobre substâncias estão em andamento, mas nenhum ainda é 100% testado e aprovado até o momento.

Por conta da necessidade de entubação de alguns pacientes infectados, a capacidade hospitalar dos países atingidos vem sendo superada. Ou seja, se muitas pessoas ficam doentes ao mesmo tempo, os hospitais podem não dar conta de atender a todas.

Por essa razão, a melhor maneira de lidar com Covid-19 é a prevenção. Quem está no grupo de risco deve se preocupar em redobrar os cuidados com a saúde a fim de evitar o contágio pelo novo coronavírus. Você tem algum fator de risco ou conhece alguém que tenha? Então, veja no próximo tópico 7 dicas para se cuidar nessa pandemia.

Quais são os cuidados com a saúde para o grupo de risco?

Quem está nos grupos de risco para o coronavírus deve ter ainda mais atenção com a saúde nesses tempos de pandemia. A seguir, contamos algumas dicas importantes para você reforçar a sua imunidade e prevenir a doença.

1. Mantenha uma alimentação saudável

Uma boa alimentação faz parte de um estilo de vida saudável, que visa a evitar e, até mesmo, tratar algumas enfermidades. O organismo é como uma engrenagem, em que tudo deve se encaixar para que funcione corretamente.

Um plano alimentar adequado é um dos fatores que fazem com que a engrenagem se mantenha trabalhando direito, pois o nosso corpo precisa de nutrientes em quantidades e variedades adequadas. Ter um cardápio saudável ajuda os grupos de risco de duas maneiras.

A primeira é em relação à imunidade. O sistema imunológico precisa de vitaminas, minerais e proteínas para que esteja sempre a postos para combater as infecções. Caso contrário, a produção das células de defesa é prejudicada e, consequentemente, a imunidade.

A outra forma é em relação às doenças que nos colocam nos grupos de risco. Hipertensão, obesidade e diabetes, por exemplo, são enfermidades que podem ser evitadas ou tratadas com auxílio de uma alimentação equilibrada. Quanto menos comorbidades, mais longe ficamos de estar nos grupos de risco.

Em tempos de quarentena, poder contar com ajuda de nutricionista de maneira remota para orientar quanto à alimentação saudável é uma ótima ideia. Além das consultas pela internet, que foram autorizadas pelo conselho de Nutrição, alguns aplicativos podem auxiliar nessa questão, como o VR Nutrição.

2. Pratique atividades físicas regularmente

Para ter uma rotina saudável, além de um cardápio balanceado, é preciso apostar na prática regular de atividades físicas. Esse hábito é capaz de melhorar o condicionamento físico, prevenir e tratar doenças crônicas, como diabetes, sobrepeso e hipertensão, aumentar a capacidade cardiorrespiratória e tantos outros benefícios.

Para os grupos mais vulneráveis, os exercícios físicos ajudam a reduzir as comorbidades e melhoram a circulação sanguínea. Com sangue circulando mais facilmente pelo corpo, o aporte de oxigênio e nutrientes para as células é mais eficiente, reduzindo as inflamações.

Além do mais, manter-se ativo faz com que as células de defesa do organismo sejam mais eficazes na hora de combater as infecções. Por isso, é imprescindível praticar alguma atividade física que seja recomendada e orientada por profissionais médicos e educadores físicos.

Vale lembrar que, em meio à pandemia e o isolamento social, a prática de exercícios deve ser feita em casa, pois nas academias e, até mesmo, ao ar livre, há perigo de contaminação pelo novo coronavírus. Sendo assim, busque modalidades que possam ser feitas no conforto do seu lar, como dança e yoga — é possível contar com aplicativos que ensinam as atividades a distância.

3. Tenha um sono de qualidade

Como está o seu sono? Você tem dormido bem ou está com algum problema nessa questão? Saiba que ter um sono de qualidade é fundamental para a imunidade e por diversas razões. É enquanto dormimos que o organismo faz o balanço do dia e todas as reparações necessárias, inclusive a produção de células de defesa.

Se o sono é insuficiente, essa fabricação é prejudicada, fazendo com que o exército de defesa do corpo fique defasado. Alguns estudos apontam que dormir pouco reduz pela metade a formação de anticorpos. Ou seja, permanecer acordado à noite faz com que você fique doente com maior frequência.

Além dessa questão, dormir mal faz com que um hormônio chamado cortisol fique em alta no organismo. Essa substância é essencial para a nossa sobrevivência. No entanto, em grandes quantidades no corpo, faz com que diversas reações aconteçam, como o aumento do estresse e do ganho de peso e a diminuição da imunidade.

Por esse motivo, repare melhor em como estão as suas noites de sono. Se você acorda disposto, provavelmente está dormindo bem. Mas se pelo contrário, você tem dificuldades para adormecer, tem um sono conturbado, acordando várias vezes à noite, e desperta sem ânimo algum, procure métodos que o ajudem a dormir melhor. Muitas vezes, é preciso buscar ajuda profissional.

4. Hidrate-se adequadamente

Com certeza, você já deve ter ouvido falar que beber água em quantidades adequadas é importante para a saúde. Afinal, o nosso corpo é feito em sua maior parte de água e precisa dela para funcionar direito. Mas você sabia que esse hábito também ajuda na imunidade? Pois é!

O equilíbrio de fluidos corporais é fundamental para o bom funcionamento do organismo. A desidratação faz com que a fluidez do sangue seja afetada, deixando a circulação sanguínea ineficiente e interferindo diretamente na saúde das células.

Com isso, o oxigênio e os nutrientes não chegam o suficiente para as células e o funcionamento delas também é prejudicado, o que atrapalha a resposta imunológica.

Manter o corpo hidratado faz com que os anticorpos tenham mais eficiência no combate às infecções, sendo assim, mais um motivo para beber água. Já sabe a quantidade correta para você? É bem simples. Multiplique o seu peso corporal por 35 ml. Por exemplo, uma pessoa de 50 quilos deverá beber, pelo menos, 1750 ml (50 kg x 35 ml) de água diariamente.

5. Evite o estresse

O estresse é considerado o mal do século, e isso não é à toa. A condição produz um “efeito cascata” no organismo, que é capaz de prejudicá-lo de diversas maneiras, sendo uma delas a imunidade. Em situações de estresse, o organismo libera hormônios para preparar o corpo para enfrentá-las, e um deles é o cortisol.

Essa substância também é responsável por cortar a resposta imunológica após uma batalha contra infecções e corpos estranhos. O problema ocorre quando ele é constantemente liberado no corpo, como é o caso de quem vive estressado.

Nessas pessoas, o sistema imunológico está sempre prejudicado, resultando em uma baixa imunidade. Por isso, evitar o estresse não é apenas uma questão de saúde mental, mas também, de saúde física. No tópico, a seguir, mostraremos como é possível cuidar da mente e prevenir as tensões do dia a dia.

6. Cuide da sua saúde mental

Por conta da pandemia, do isolamento social e de todos os problemas que o mundo vem enfrentando nos últimos meses, fica difícil manter a sanidade mental. Pessoas que são mais sensíveis ao que acontece ao ser redor sofrem com tudo isso. Não é por acaso que os quadros de depressão, pânico e ansiedade vêm aumentando, e muito.

Mesmo quem nunca esteve nem perto de desenvolver esses problemas também deve ficar atento. No final das contas,a mudança da rotina e a distância do contato físico com as pessoas que não moram na mesma casa podem mudar os ânimos de qualquer pessoa.

Pensando nisso, trouxemos algumas dicas de como passar pela quarentena da melhor maneira possível.

Tenha um passatempo

Manter um passatempo pode ser uma ótima forma de passar o tempo. Ocupar a cabeça com algo de que gosta faz com que a gente se distraia e se esqueça um pouco das tensões do momento. Já que a recomendação é não sair de casa, você pode optar por fazer artesanato, cuidar de plantas, pintar quadros e objetos etc.

Pratique meditação

A meditação ativa áreas cerebrais responsáveis pelo bem-estar. Sendo assim, essa prática é capaz de ajudar a diminuir o estresse, oxigenar o corpo, melhorar o sono, entre outros benefícios que melhoram a qualidade de vida durante a quarentena.

Faça tudo com tranquilidade

Passar o dia todo sem fazer nada é bem difícil. Geralmente, as pessoas começam a arrumar a casa, o jardim e buscar outros afazeres. Lembre-se de que você terá tempo para fazer tudo isso com calma, não é preciso correr.

Leia mais variedades

Ler é um passatempo que muita gente tem. Agora, com mais tempo em casa, é possível reforçar o hábito da leitura. Nesses momentos de crise e estresse, procure por temas mais amenos e que tragam positividade.

Desconecte-se da negatividade

Obviamente, é preciso estar por dentro do que acontece com a pandemia para que possamos ter real noção da crise enfrentada e poder nos prevenir. Entretanto, procurar notícias o dia inteiro pode trazer uma negatividade e aumentar as chances de desenvolver ansiedade e depressão.

Por isso, mantenha-se apenas informado, mas não “mergulhado” no problema.

Mantenha o relacionamento virtual

Por mais que não possamos dar um abraço em uma pessoa querida que está longe, é possível manter o contato com ela de maneira virtual, como nas videochamadas. Isso ajuda a matar um pouco das saudades e aguentar o isolamento.

Tenha uma rotina saudável

Por mais que a vontade de jogar a rotina saudável para o alto seja grande durante a quarentena, lembre-se de que ela ajuda você a manter uma imunidade reforçada e é extremamente importante para o bem-estar e a saúde emocional.

Sinta-se produtivo

Você é do tipo de pessoa agitada, que não para um minuto e faz questão de ser muito produtiva? Então, é bem provável que esteja sofrendo com o isolamento, principalmente se não tiver como trabalhar remotamente. Nesse caso, sinta-se produtivo de outras maneiras, como fazendo cursos pela internet, arrumando coisas pendentes na casa etc.

7. Proteja-se do coronavírus

Por fim, mas não menos importante, é preciso reforçar quais são os cuidados com a saúde para os grupos de risco do coronavírus. Como prevenir é o melhor remédio para a Covid-19, é necessário evitar o contágio. Confira como fazer isso.

Respeite o isolamento social

O distanciamento social é a maneira mais eficaz de prevenir contra o coronavírus. Quem está no grupo de risco deve levar isso muito a sério, inclusive evitar o contato com quem não está seguindo essa recomendação. Fique em casa o máximo possível e não receba visitas. Se for inevitável sair, tome os cuidados dos próximos tópicos.

Reforce os cuidados de higiene pessoal

Embora seja uma doença altamente contagiosa e sobreviva muito tempo no ambiente, o novo coronavírus morre com apenas água e sabão e outros produtos de higiene, como o álcool 70°. Por isso, a recomendação é lavar as mãos constantemente e reforçar os cuidados de higiene.

Sempre que precisar sair de casa, ao retornar, higienize os sapatos, ponha as roupas para lavar e tome um banho passando o sabonete por todo o corpo.

Saiba como manipular compras com entrega em casa

Uma das maneiras de evitar a saída do isolamento é fazer compras com entrega a domicílio. Você pede o que precisa pelo telefone ou pela internet e recebe os produtos em casa. Entretanto, é preciso saber como manipular as compras para evitar um possível contágio:

  • prefira fazer pagamentos por meios digitais ou cartões, já que o dinheiro pode ser uma via de transmissão;
  • mantenha distância do entregador (ele já deve saber dessa instrução), peça para que as compras sejam colocadas em uma cadeira ou no chão para que você pegue;
  • retire as embalagens externas, como sacolas, e as descarte;
  • lave muito bem as mãos com água e sabão;
  • com um borrifador, aplique a mistura de água com detergente por todas as embalagens dos produtos e espalhe com um paninho limpo;
  • frutas, verduras e legumes devem ser higienizadas antes de ser armazenadas.

Mantenha a limpeza da casa

Além da higiene pessoal, é necessário manter a limpeza da casa em dia, principalmente em áreas com maior circulação. Borrife álcool 70° em mesas e superfícies, limpe o teclado e outros componentes dos computadores, e lave as áreas externas com maior frequência.

Utilize máscara

As máscaras de tecido são imprescindíveis para quem precisa sair de casa por algum motivo. Elas evitam que as gotículas de saliva, responsáveis pela transmissão do vírus, se espalhem pelo ar.

Elas devem ser usadas por 2 a 4 horas, dependendo de quanto esteja molhada, e em seguida, lavadas. No caso de troca de máscara, guarde a usada em uma sacola plástica até que chegue em casa para lavá-la.

Os cuidados com a saúde para os grupos de risco do novo coronavírus são fundamentais para prevenir o contágio e evitar a forma mais grave da doença, que pode ser fatal. Por isso, melhore a imunidade e mantenha uma rotina saudável, zele por sua saúde mental e proteja-se do vírus.

Ficou interessado em melhorar a sua alimentação para ter uma vida mais saudável e prevenir doenças? Então, baixe agora mesmo o VR Nutrição. Com o aplicativo, você recebe orientações nutricionais de especialistas e consegue ter um acompanhamento do seu plano alimentar.

exercício físicoPowered by Rock Convert