A saúde ocupacional é um setor específico da área da saúde que atua na prevenção de doenças e problemas laborais causados pelo ambiente e rotina de trabalho. De forma geral, o seu principal objetivo é promover qualidade de vida e bem-estar físico, mental e social dos colaboradores de uma empresa.

O investimento na saúde do trabalhador se faz presente em cada vez mais organizações. Elas perceberam que quando uma empresa não pensa no bem-estar de seus funcionários, perde não apenas em produtividade, mas também na qualidade de seus serviços e produtos.

Para entender melhor sobre o assunto e descobrir algumas das principais ações de saúde ocupacional adotadas atualmente, continue com a gente na leitura deste post!

Por que investir em ações de saúde ocupacional?

Quando uma empresa coloca os funcionários em primeiro lugar, ela só tem a ganhar. Primeiramente, porque toda empresa é construída e cresce com pessoas. Segundo, porque o bem-estar dos times de trabalho favorece a produtividade, o cumprimento das metas e a qualidade das entregas.

Além disso, trata-se de um aspecto fundamental para se manter dentro da Lei. Isso porque a saúde ocupacional consta como um setor obrigatório às empresas de pequeno, médio e grande porte. Quem fiscaliza essa questão é o Ministério do Trabalho (MTE), que também impõe todas as regras referentes à qualidade de vida do trabalhador.

Entre os objetivos da saúde ocupacional, podemos citar:

  • assegurar um ambiente de trabalho seguro e saudável, proporcionando maior motivação e produção entre os colaboradores;

  • controlar os riscos existentes no local de trabalho;

  • garantir a execução correta e segura das funções dos times de trabalho;

  • proporcionar atendimento médico imediato em caso de acidentes de trabalho ou emergências causadas por doenças laborais;

  • garantir a reabilitação dos funcionários em situações como a citada acima;

  • implementar ações estratégicas preventivas, assim como a realização de exames periódicos.

Pense bem: de forma estratégica, é mais vantajoso — tanto para as empresas, financeiramente, quanto para os colaboradores — fazer um redirecionamento de recursos para ações de conscientização e prevenção do que simplesmente esperar por acidentes e doenças ocupacionais e ter que arcar com essas despesas futuramente, não é mesmo?

Considerando a importância da saúde ocupacional, separamos, no próximo tópico, algumas das principais práticas de saúde operacional adotadas nas empresas.

Quais são as principais práticas de saúde operacional?

Garantir o acesso a uma boa alimentação

Impossível falar sobre saúde sem falar em alimentação, certo? É importante sempre promover a adoção de hábitos alimentares saudáveis e conscientizar os colaboradores sobre os problemas adquiridos quando se tem uma dieta inadequada.

Se o funcionário adota uma alimentação equilibrada e saudável, o seu organismo processa os nutrientes ingeridos e fornece a quantidade de energia ideal para que ele possa executar com eficiência as tarefas do dia a dia. Já uma má nutrição do colaborador o torna mais propenso às seguintes consequências:

  • cansaço excessivo;

  • noites mal dormidas;

  • queda na produtividade;

  • redução na capacidade de executar tarefas simples, etc.

Para evitar que isso aconteça, a empresa pode oferecer aos colaboradores os seguintes benefícios:

Vale-alimentação

Com o vale-alimentação, o colaborador tem acesso garantido a uma alimentação completa e de qualidade. Isso porque ele poderá usar o benefício, por meio do cartão magnético, para fazer compras de gênero alimentício em supermercados, armazéns e outros estabelecimentos cadastrados pela operadora.

Além disso, o vale-alimentação pode contribuir também para a saúde da família do colaborador, uma vez que ele poderá utilizá-lo para fazer as suas compras do mês, escolhendo os alimentos de sua preferência a serem consumidos durante aquele período. Interessante, não?

Vale-refeição

O vale-refeição é outro benefício favorável à saúde ocupacional e que promove uma alimentação de qualidade ao colaborador. Com ele, o colaborador consegue realizar as suas refeições diárias (café da manhã, almoço, lanches e jantar) em estabelecimentos como restaurantes, padarias, lanchonetes e demais cadastrados pela operadora.

Tudo isso com bastante conforto, praticidade e segurança, já que, usando o vale-refeição, não será necessário se preocupar com pagamentos em dinheiro. Além disso, o funcionário poderá escolher onde se alimentar — inclusive, em estabelecimentos próximos ao seu local de trabalho.

A única recomendação, aqui, é incentivar o colaborador a fazer bom uso do vale-refeição para que ele possa ter uma alimentação saudável e fazer o saldo no cartão render ao longo de todo o mês.

Fazer campanha temáticas

Conscientizar os funcionários por meio de campanhas é outra ação importante não só para o bem-estar dos times, como também para ajudar na prevenção de certas condições graves de saúde.

A empresa pode orientar os colaboradores com conhecimentos sobre assuntos que eles desconhecem — foi assim, por exemplo, que ações como o Outubro Rosa (para conscientização sobre o câncer de mama) e o Novembro Azul (conscientização sobre o câncer de próstata) ganharam força. 

Para que essas campanhas de fato atinjam os seus objetivos, a organização deve fazer uma análise do perfil dos colaboradores e identificar aqueles temas mais pertinentes, bem como a melhor forma de executar as ações. 

Promover aulas de exercícios físicos

Não é segredo para ninguém que o bom funcionamento do nosso corpo depende também da execução de atividades físicas. Quando o assunto é saúde ocupacional, isso não poderia ser diferente. Sendo assim, é interessante que a empresa tenha um papel determinante nesse estímulo à prática de exercícios.

Isso pode acontecer de várias maneiras, sendo a ginástica laboral uma ótima opção. A atividade tem como objetivo trazer os exercícios físicos para dentro do ambiente de trabalho e é interessante que todos os funcionários — que estiverem aptos — participem. Como consequência, além da melhora na saúde, são evitadas as famosas lesões decorrentes de movimentos repetitivos, por exemplo.

Além da ginástica laboral, a organização pode firmar parcerias com academias, possibilitando que os funcionários tenham fácil acesso a uma maneira de praticar exercícios.

Como foi possível perceber, as organizações só têm a ganhar quando investem em saúde ocupacional, garantindo crescimento, estabilidade e até mesmo lucro. Isso porque o colaborador contará com condições de trabalho saudáveis para a realização de suas tarefas, se sentido seguro, motivado e valorizado para oferecer sempre o seu melhor.

E então, gostou do conteúdo do post? Para tirar qualquer dúvida sobre saúde ocupacional ou compartilhar experiências, deixe agora mesmo o seu comentário abaixo. Vamos adorar conversar com você!