A tomada de decisão faz parte do cotidiano de qualquer gestor. Cabe a ele permitir ou não a condução de ideias e projetos que podem comprometer os resultados da empresa — tanto positiva quanto negativamente.

Trata-se de uma ação que requer bastante cuidado, análise e embasamento, portanto, é ideal que não seja feita por uma única pessoa. Você sabia que os colaboradores podem ajudar bastante nesse sentido?

Afinal de contas, não apenas os líderes vivenciam o dia a dia da corporação. As equipes, em geral, têm um entendimento muito mais profundo do que está acontecendo em seus setores, já que são responsáveis pelo desenvolvimento do trabalho nesse âmbito.

Foi pensando nisso que produzimos este post. Aqui falaremos sobre como é possível tomar decisões mais estratégicas com o auxílio dos seus colaboradores. Acompanhe e descubra!

A tomada de decisão em conjunto

Contratar ou não aquele fornecedor? Qual é o momento certo para inovar e ampliar a gama de produtos? Que medidas podem ser adotadas para otimizar os níveis de produção? Essas dúvidas certamente passam ou já passaram pela cabeça de muitos líderes. Até porque, nem sempre é fácil encontrar as melhores soluções para o negócio.

Nesse cenário, a tomada de decisão unilateral pode parecer a mais prática e eficiente. Soma-se a isso o fato de que a pressão, no universo de corporativo, é bastante recorrente, exigindo reações rápidas.

No entanto, é preciso lembrar que uma empresa é composta por vários setores: financeiro, RH, marketing… e o seu funcionamento só acontece porque neles há times de colaboradores que dominam aquilo que fazem.

De acordo com o especialista em liderança e doutor pela Harvard Business School, Ram Charan, ser um bom líder significa dedicar 40% de seu tempo aos colaboradores.

Como citamos acima, é claro que muitos executivos estão ocupados e seguem uma rotina com foco em resultados. Contudo, existe um princípio que jamais deve ser ignorado: esses resultados dependem da atuação conjunta de pessoas motivadas e engajadas.

Os funcionários são a base das atividades da empresa, e eles têm muito a dizer. É por esse motivo que cada vez mais organizações vêm adotando a gestão participativa na tomada de decisão, dando voz aos colaboradores e mantendo-os motivados.

Gestão participativa

A gestão participativa promove o compartilhamento de responsabilidades, entre elas, a tomada de decisão, a realização de projetos e o levantamento de ideias — ou brainstorming. O objetivo que é líderes e liderados trabalhem juntos nesse sentido, apontando tudo aquilo que pode beneficiar a organização.

Em outras palavras, trata-se do envolvimento do funcionário no processo de gestão. Isso é um aspecto fundamental para a cultura da empresa, fazendo com que os colaboradores entendam que têm muito a oferecer.

Faz toda a diferença saber que não são vistos apenas como “robôs”, mas, sim, como profissionais capazes de contribuir com as suas competências e, por que não, opiniões que auxiliam a tomada de decisão.

Importância da cultura de feedback

Mas como os gestores podem reunir as ideias dos colaboradores? É aqui que entra outro conceito crucial e cada vez mais valorizado no mundo corporativo: a cultura do feedback.

O feedback, momento de contato entre líder e liderados, é essencial para a construção de um ambiente de trabalho colaborativo e, por isso, deve ser feito com frequência.

Lembre-se, no entanto, que essa é uma ocasião na qual a comunicação precisa funcionar como via de mão dupla, ou seja, muito mais do que apenas falar, o gestor deve saber ouvir.

Ou seja, além de fornecer um parecer — tanto elogios como críticas construtivas — sobre o trabalho executado pelos times, o gestor necessita, também, considerar as sugestões fornecidas pelos colaboradores.

Acredite: nesse momento, muitos fatores que nem ao menos passavam na cabeça do líder podem ser trazidos à tona. Como são os colaboradores que vivenciam as tarefas diárias, eles sabem o que pode ser melhorado, alterado ou até mesmo mudado completamente.

Além disso, têm em mãos dados importantes que servem como embasamento para a tomada de decisão, sobretudo aqueles dos setores que trabalham com métricas e indicadores. Sendo assim, podemos concluir que adotar o hábito de realizar constantes feedbacks pode contribuir gerar muitos efeitos positivos.

O impacto do auxílio dos colaboradores na satisfação dos times

Até aqui, ficou claro como é essencial considerar as sugestões dos colaboradores, não é mesmo? No entanto, os benefícios da participação dos funcionários na tomada de decisão não param por aí. Tudo isso que já conversamos acima está diretamente ligado ao clima organizacional — o principal indicador de satisfação dos times de uma empresa.

Ao participarem de ações tão relevantes, os funcionários compreendem que são peças fundamentais para o funcionamento do negócio. Afinal de contas, organizações, independentemente do porte ou segmento, só funcionam porque nelas existem pessoas.

Esse sentimento de pertencimento é muito importante, tendo em vista que promove um maior envolvimento do colaborador com o trabalho e com as missões da empresa. Com isso, há uma intensificação da produtividade, melhorias na qualidade das entregas e até mesmo aumento da retenção de talentos.

Os sentimentos de valorização e reconhecimento levam ao aumento da autoestima e confiança dos funcionários. Isso faz com que os times não hesitem em vestir a camisa da empresa — o que é um combustível infalível para o crescimento de qualquer negócio.

Outros impactos da participação dos colaboradores na tomada de decisão incluem:

  • desenvolvimento do capital humano, que colocará em jogo as suas habilidades criatividade etc.;
  • agilidade de processos;
  • satisfação dos clientes com a qualidade do serviço.

Como você pôde constatar, os colaboradores são peças-chave para o andamento do seu negócio. Os gestores que ignoram o poder da tomada de decisão em conjunto acabam perdendo oportunidades valiosas de contribuir com a melhoria dos resultados corporativos.

Portanto, é fundamental criar uma cultura colaborativa no ambiente de trabalho, de modo a gerar engajamento, satisfação, produtividade e, é claro, lucratividade.

E você, o que acha do poder da tomada de decisão em conjunto com os colaboradores? Tem alguma experiência que gostaria de relatar? Deixe agora mesmo os seus comentários abaixo e compartilhe com a gente!