Um dos grandes desafios de qualquer empreendedor na atualidade é conseguir manter uma equipe motivada. Esse é um dos segredos para alcançar uma alta produtividade dentro das empresas. Existem algumas estratégias que podem ajudar nesse quesito, e uma delas é implementar programas de incentivo aos funcionários.

Além de reter e desenvolver talentos, esses programas geram muitas vantagens para a sua empresa. Eles podem ser implementados em qualquer tipo de organização, inclusive nas de pequeno porte e naquelas que estão começando suas atividades agora.

Se você tem uma pequena empresa e necessita aumentar a produtividade da sua equipe e manter os bons profissionais trabalhando com você, você está no caminho certo!

Leia este post e entenda tudo o que você precisa saber sobre o programa de incentivo, quais os benefícios e como estruturá-lo em sua empresa.

O que é um programa de incentivo?

O programa de incentivo pode ser entendido como um sistema de metas e recompensas, cujo objetivo é reconhecer, estimular e retribuir o comportamento, o engajamento e o desempenho dos colaboradores e das equipes de trabalho.

Ou seja, é uma forma de estimular os colaboradores, bem como as equipes a buscarem um alto nível de desempenho, baseado em metas e retribuições.

Essas práticas favorecem os funcionários, que se sentem mais motivados, e também as empresas, já que aumentam a produtividade, melhoram o desempenho, reduzem a rotatividade, entre outros benefícios que serão esclarecidos adiante.

Muitos empreendedores de sucesso já estão utilizando esse sistema, em vez de simplesmente conceder aumentos de salário, conseguindo assim retribuir de forma objetiva o desempenho e o crescimento profissional dos funcionários.

Uma organização pode conceder incentivos financeiros e não financeiros. No primeiro caso, o funcionário recebe bonificações em dinheiro. Já no segundo, recebe viagens, folgas, passeios, prêmios, entre outras inúmeras formas de recompensas.

Essas premiações devem estar vinculadas a algum número, como:

  • volume de vendas;

  • taxa de prospecção de clientes;

  • média de faturamento;

  • meta de redução de custos;

  • cumprimento de prazos, entre outros.

Quem deseja desenvolver uma equipe com competências variadas também deve vincular as recompensas a cursos, especializações, pós-graduações, entre outras formas de aprimoramento profissional.

Para que um programa de incentivo dê os resultados positivos, é necessário contar com um esforço conjunto entre líderes e funcionários. Além disso, é preciso estabelecer uma comunicação clara, definir metas alcançáveis, cumprir as promessas dentro dos prazos e contar com uma liderança engajada.

Qual o tripé do programa de incentivo

O programa de incentivo se baseia no tripé composto por motivação, reconhecimento e recompensa. Vamos explicar cada um desses pilares.

Motivação

Utilizar campanhas de incentivo resulta em um impacto direto sobre a motivação dos funcionários e das equipes. É uma forma de atração e retenção de talentos, além de formar e manter equipes de alta performance.

Por isso, antes de definir sobre as metas e recompensas, é fundamental conhecer os anseios e os objetivos dos funcionários, para definir recompensas mais direcionadas, fazendo com que eles se sintam engajados e colaborem, já que vão conquistar aquilo que desejam com o próprio esforço.

Reconhecimento

O segundo pilar do tripé dos programas de incentivo é o reconhecimento. Ele se baseia na premissa de que os esforços dos colaboradores devem ser reconhecidos e valorizados.

Assim, profissionais que se dedicarem mais terão maior retorno. Essa é uma forma de verificar também as potencialidades de cada funcionário e encaixá-los em cargos corretos, e até mesmo mais altos.

Recompensa

O último elemento do tripé é a recompensa. Ele se refere a retribuir os esforços dos trabalhadores de acordo com sua dedicação e desempenho.

Esse elemento evidencia que o programa de incentivos se baseia na meritocracia, na transparência e na imparcialidade, já que cada pessoa recebe a recompensa diretamente em relação a seu nível de desempenho.

A mensagem transmitida é que a empresa se compromete a dar um tratamento justo a qualquer trabalhador, já que é avaliado o esforço e desempenho de cada um. Assim, crescer na carreira e se destacar cabe ao funcionário, e não a relações pessoais de amizade com superiores, como se vê em muitas organizações.

Programas de incentivo são somente para grandes empresas?

A resposta é não. Como você vai entender, é simples estruturar um programa de incentivos em qualquer tipo de organização.

O programa de incentivo é uma forma ideal para quem busca aumentar a produtividade e manter equipes motivadas, e isso independe do tamanho ou do segmento da empresa.

Uma vez que o empreendedor enxerga a importância de investir no capital humano e entende o quanto isso pode trazer de benefícios para a sua empresa, já pode começar a planejar um programa de incentivo.

Quais os benefícios de implantar um programa de incentivos?

Para a empresa, os benefícios em se implementar um programa de incentivo vão muito além de manter uma equipe motivada. Pensando nas atividades operacionais e no capital humano da empresa, o programa de benefícios:

  • eleva a produtividade;

  • aumenta o faturamento;

  • reduz custos e despesas;

  • otimiza rotinas operacionais e administrativas;

  • reduz o turnover e o absenteísmo;

  • retém talentos;

  • melhora o clima organizacional;

  • transmite uma boa imagem da empresa;

  • atrai novos talentos.

Esses benefícios podem ser entendidos de forma encadeada. Uma vez que a empresa estabelece as metas, os colaboradores devem cumpri-las para receber as recompensas.

Como se trata de um sistema de mérito, esse colaborador vai querer dar o melhor de si, o que, consequentemente, aumentará a produtividade e gera redução de custos na empresa. Afinal, quanto maior for a produção, mais diluídos são os custos.

O funcionário engajado no programa de incentivos não vai querer faltar ao trabalho por qualquer motivo, já que sua retribuição será proporcional a sua dedicação. Um dia perdido pode impactar a sua produção e a sua pontuação.

Normalmente, o estabelecimento de metas individuais ocasiona uma competição saudável entre os funcionários. Assim, o colaborador fará tudo o que estiver a seu alcance para estar todos os dias no trabalho, pensando em cumprir as metas.

Se o sistema de recompensas estiver de acordo com os anseios desse colaborador, ele também não vai querer sair dessa empresa, já que está atendendo às expectativas da companhia. Isso reduz a rotatividade tão temida pelos empreendedores, por gerar custos elevados.

Um colaborador satisfeito vai contar para outras pessoas sobre como é o ambiente interno da empresa, o que pode atrair novos talentos.

Também é preciso mencionar que é mais econômico manter e desenvolver a sua equipe do que formar uma nova. Cada funcionário desligado representa perda de dinheiro com a rescisão contratual, com o processo de seleção para contratar um novo funcionário e com o treinamento.

O clima organizacional também melhora, na medida em que as pessoas compreendem que o programa terá melhores resultados quanto melhor for a cooperação entre as equipes. Afinal, todo trabalho é colaborativo e mesmo quando existe certa competição, ninguém consegue alcançar os resultados de maneira isolada.

Além disso, manter colaboradores motivados colabora muito para o desenvolvimento de uma boa imagem da empresa perante os clientes, fornecedores e funcionários. A atração de novos talentos fica mais fácil na medida em que sua companhia é reconhecida como uma boa empresa para se trabalhar.

O que devo saber antes de planejar um programa de incentivos?

Vamos explicar alguns detalhes para você estar atento antes de começar a planejar seu programa de incentivo. O primeiro deles é buscar entender os anseios dos funcionários.

Entenda o que motiva o seu funcionário

Para evitar erros comuns em pequenas empresas e garantir que o programa dará resultados positivos, é importante fazer um levantamento para entender quais tipos de benefícios serão mais adequados aos objetivos dos funcionários.

Assim, você poderá estabelecer recompensas que estarão coerentes com o perfil e o momento em que essas pessoas estão vivendo. Para que você entenda o que estamos dizendo, vamos exemplificar duas situações diferentes.

Na primeira delas, imagine que a sua empresa tem em sua maioria pessoas mais jovens, estudantes e universitários. Eles tendem a se interessar mais em certos benefícios, como cursos de línguas, bolsas de estudo, descontos em academias e viagens.

Mas, se a maioria da equipe já tem família constituída, eles tendem a priorizar as folgas, o plano de saúde e o vale alimentação, ou um final de semana em um hotel fazenda com a família.

Essas diferenças devem ser consideradas para o estabelecimento de retribuições que vão realmente estimular as pessoas a contribuírem para os objetivos do seu negócio.

Descubra quais benefícios são obrigatórios e quais são opcionais

Antes de definir sobre os benefícios que serão oferecidos nesse programa, é importante saber que alguns benefícios são obrigatórios e outros são opcionais. Assim, se a sua empresa adota o regime celetista (carteira assinada), é necessário entender as regras para não atrelar benefícios de forma incorreta ao programa.

Antes de tudo, é importante lembrar que o pagamento de benefícios em dinheiro acarreta maiores encargos e pode gerar ações trabalhistas no futuro. Assim, é sempre melhor e mais lucrativo recorrer aos benefícios, sejam eles obrigatórios ou opcionais.

Os benefícios obrigatórios são aqueles previstos na CLT, como:

  • vale-transporte;

  • férias remuneradas;

  • décimo terceiro salário;

  • adicional noturno;

  • FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço);

O auxílio-creche só é obrigatório para empresas com mais de 30 funcionários. Em empresas menores, ele se torna opcional.

Como benefícios opcionais, temos os cartões de benefícios, como:

  • vale alimentação;

  • vale refeição;

  • assistência médica;

  • assistência odontológica;

  • vale cultura;

  • vale presente;

  • bolsa de estudos;

  • cursos de idiomas;

  • descontos em cursos, entre outros.

Vale lembrar que você pode definir quais serão os benefícios oferecidos aos funcionários, mas não é possível retirar deles aqueles que são obrigatórios. O que você pode fazer é aumentar os dias de férias concedendo folgas, por exemplo.

Mas, quando se trata de programa de benefícios, é mais interessante combinar os benefícios que são opcionais, sem se esquecer de resolver isso de acordo com as condições financeiras da empresa.

Sempre comunique metas, resultados e recompensas

Uma comunicação clara é um dos elementos mais importantes para a eficácia de um programa de incentivos. Para que todos os funcionários entendam sobre as regras e como será o funcionamento desse programa, é essencial utilizar diferentes formas de comunicação.

Além disso, para manter as pessoas empenhadas ao longo do tempo, é preciso comunicar sobre as atualizações das metas e os resultados obtidos.

Para que a comunicação chegue a todos os envolvidos, sem ruídos, você deve utilizar as diversas ferramentas de comunicação presentes em sua empresa, como o e-mail, a intranet, as redes sociais corporativas, os murais, as reuniões periódicas com as equipes, entre outras. Quanto melhor a comunicação, mais eficientes serão os resultados.

Sabendo dessas peculiaridades, você pode usar e abusar da criatividade na hora de oferecer benefícios a seus funcionários. Mas não se esqueça que você deve pensar no objetivo da empresa e nos objetivos dos funcionários, para que o programa fique o mais alinhado possível a esses dois aspectos.

Como estruturar um programa de incentivo?

Para estruturar um programa de incentivo, é fundamental se atentar para alguns aspectos, como metas individuais e coletivas, recompensas e feedbacks. Vamos explicar cada um deles.

Defina as metas individuais e coletivas

É preciso definir quais são os objetivos e metas da empresa, para depois definir quais serão os objetivos relacionados ao programa de incentivos. Ambos devem estar alinhados. Dessa forma, utiliza-se um programa para motivar os funcionários a gerar os resultados que sua empresa precisa.

As metas individuais favorecem a autoconfiança, a disciplina, o comprometimento e o desenvolvimento pessoal e profissional de cada colaborador. Elas devem ser ambiciosas, mas ao mesmo tempo realistas e adaptadas ao cargo e experiência do funcionário.

Já as metas coletivas são muito importantes para estimular um clima organizacional agradável e incentivar a integração e a colaboração entre as equipes. Essas metas individuais e coletivas são complementares e favorecem a evolução gradual e constante do capital humano de uma empresa.

Os indicadores para medir as metas precisam ser claros e inteligentes, facilitando a supervisão das tarefas.

Determine as recompensas

Uma vez definidas as metas, devem-se determinar as recompensas. Isso deve ser feito antes de divulgar o programa para os funcionários. Eles devem estar cientes de como será recompensado esforço de cada um deles.

Conforme já abordamos anteriormente, a definição das recompensas deve estar atrelada a um levantamento prévio entre os funcionários, para entender quais benefícios eles mais valorizam.

Além de entender sobre as características dos funcionários, como faixa etária, escolaridade, estado civil, média salarial, hobbies, entre outros, é importante buscar exemplos de sucesso em outras organizações e entender quais são as tendências e as melhores práticas relacionadas a recompensas. Passar por essa fase de pesquisa e combinar essas variáveis tornarão o seu portfólio de premiações mais atrativo.

Muitas empresas têm investido em prêmios que proporcionam experiências a seus funcionários. Viagens, ingressos para shows, cinemas, teatros e o vale-cultura são exemplos que proporcionam experiências positivas.

Outros prêmios, como aparelhos eletrônicos, podem ser simples, mas têm sido escolhidos como uma forma de lembrar constantemente o funcionário da retribuição recebida, já que passam a fazer parte do dia a dia de quem recebe o prêmio.

Além disso, a relação entre meta e recompensa deve ser clara para todos os envolvidos. As metas não podem ser inalcançáveis. Isso levaria todo o planejamento por água abaixo, e correria o risco de desmotivar a equipe. E as recompensas devem poder ser cumpridas dentro do prazo, para que o programa não perca sua validade e confiabilidade.

Na definição das recompensas, deve-se ter atenção em não ultrapassar as suas possibilidades. Assim, é interessante atrelar o valor que será gasto com a recompensa à dimensão do aumento da produtividade. Desse jeito, o programa não vai representar novos investimentos superiores a seu lucro com ele.

Para iniciantes, é recomendado optar por bonificações mais simples e prêmios menores, para depois aumentar gradativamente, conforme o desenvolvimento do programa e a medição dos resultados que ele traz.

Muitas empresas recorrem a recompensas pontuais, como viagens, passeios temáticos, brindes, ingressos para eventos, entre outras. O motivo em optar por essas alternativas é que elas dispensam encargos trabalhistas e o colaborador pode ter experiências novas proporcionadas pela empresa, envolvendo muitas vezes a família, o que fortalece ainda mais o vínculo entre o trabalhador e a organização.

Convoque os colaboradores para participar do planejamento

Uma estratégia muito interessante para planejar um programa de incentivos é convocar a equipe para participar da definição de metas e recompensas. Desse modo, o colaborador vai ter espaço para participar de certas decisões da empresa e se sentirá valorizado.

Além disso, esse formato participativo minimiza os erros que as empresas normalmente cometem, como estabelecer metas inalcançáveis e recompensas não atrativas ao público interno. Além disso, os funcionários são quem detém o maior conhecimento sobre as tarefas rotineiras e sobre o que precisa melhorar para alcançar os objetivos da empresa.

Disponibilize os recursos necessários

Uma vez que o programa foi planejado corretamente e as metas foram definidas, é importante verificar se todos os recursos necessários para a atividades estão disponíveis e em perfeito estado.

Não há nada mais desmotivador que ter que utilizar ferramentas obsoletas e que travam as tarefas, impedindo o funcionário de desenvolver o seu trabalho da melhor forma possível. Essa preocupação, portanto, deve ser da empresa. Cabe a ela disponibilizar os recursos para que seus funcionários entreguem os serviços que se espera deles.

Dê feedbacks constantemente

De nada adianta planejar um programa de incentivos bem estruturado e, após fazer a divulgação, não ter o devido acompanhamento e os feedbacks necessários.

Quanto mais eficiente for o sistema de feedback, melhores serão os resultados individuais e da equipe. Às vezes, a pessoa precisa saber qual ponto carece de melhorias. E isso parte de uma boa comunicação entre gestores e funcionários.

Quanto menor a empresa, mais próximo deve ser esse diálogo. Assim, mais rápido o funcionário vai ter a chance de melhorar seu desempenho.

Esse feedback deve ser tanto positivo quanto negativo. As ações do funcionário que demonstrem envolvimento, dedicação e proatividade devem ser acompanhadas e elogiadas, de preferência em tempo real e publicamente. Da mesma forma que as falhas devem ser corrigidas, de preferência em particular, para evitar constrangimentos perante a equipe.

O papel do líder é essencial para a efetividade dos feedbacks. Ele deve ser cordial e profissional ao mesmo tempo. Além disso, ele deve dar espaço para que o funcionário também expresse suas opiniões e dê sugestões, estabelecendo assim uma relação de confiança e coparticipação.

No momento do feedback, recomenda-se incentivar o funcionário para o mês seguinte. Para que ele veja cada feedback como uma chance para se aperfeiçoar. Por isso, é sempre importante equilibrar a indicação de pontos a serem melhorados com elogios ao desempenho do profissional.

Utilize pesquisas de satisfação e de clima organizacional

Fazer pesquisas de satisfação e de clima organizacional também é uma forma de verificar a aceitação do programa entre os funcionários, e assim verificar as melhorias percebidas pelas equipes. Desse jeito, você terá a oportunidade de aprimorar o programa para o próximo período.

Comemore os resultados

Nada mais integrador que comemorar as vitórias junto com a equipe. Organizar comemorações ao final de cada mês, com fotos daqueles que tiveram uma performance mais elevada, registrando a entrega das recompensas, é uma forma interessante de mostrar que o programa realmente é eficaz. Isso também comunica ao colaborador que vale a pena se esforçar mais no próximo período.

Estude cases de sucesso

Muitas empresas, no Brasil e no exterior, já perceberam o potencial de um programa de incentivo bem estruturado e tem obtido excelente resultados. Estudar iniciativas bem-sucedidas ajuda a definir melhor o programa ideal para a realidade e os objetivos da sua empresa. Em outras palavras: mergulhe no benchmarking e obtenha os melhores resultados!

Por que oferecer sempre mais benefícios aos colaboradores?

A partir dessa leitura, você entendeu melhor como um programa de incentivos pode trazer diversos benefícios para o seu negócio, independente do porte dele. Não importa se sua empresa é grande, média ou pequena. Não importa se já esteja consolidada ou apenas começando as operações. Um programa de incentivos aumenta a qualidade de vida dos colaboradores e o engajamento com os objetivos do seu negócio. Isso gera mais produtividade, mais vendas e mais lucro.

Por isso, é importante estar sempre atento a seus colaboradores e ver como eles estão reagindo às metas e recompensas e oferecer sempre o melhor pacote de benefícios a eles. Assim, você poderá oferecer cada vez mais oportunidades àqueles que estão juntos contigo, trilhando a jornada da sua empresa.

Agora que você já entendeu tudo o que precisa saber sobre programa de incentivo, já está apto a começar a implantar essas dicas em sua empresa e colher todos os benefícios dessa estratégia.

Após saber mais sobre programas de incentivo, continue em nosso blog e conheça as principais tendências de marketing para PMEs.